Quinta-feira, Maio 29, 2008

 

[P#116] INTERNET YEARS (Parte 7)

|

Tami Curi, ou Tamiris, como eu chamava na época, em 2005

No último post eu falei sobre como me aborreceu a distorção da mídia dos fatos relativo ao que chamaram de "mensalão". Só esqueci de comentar a minha alegria ao perceber que o pulha do Roberto Jefferson havia tido o mandato cassado. Quem quer bagunçar com a ordem nacional acaba mesmo tendo esse fim.

Nesse vou procurar falar um pouco sobre as amizades.
A Mili havia me convocado para sua festa de aniversário. A mim, ao André e mais outros amigos dela, que a mim eram anônimos. O André teve uns problemas e não pôde comparecer no dia. A festa foi bacana, o único incômodo nela foi que o dono do bar queria expulsar a gente de lá, sonhando que iríamos sempre pedir a saideira e não eram nem 3 da manhã. Dessa forma, fomos pressionados a terminar a festa mais rápido.

Depois, como era madrugada e pra onde eu vou só tem ônibus de manhã, a Mili resolveu me dar uma "carona". Bela carona que ela queria dar, até a esquina do museu do olho. Mas, teve a caridade de andar mais alguns metros e me deixar na esquina do Shopping Mueller. Porque ela não dava carona porque gastava o álcool do carro do pai dela. Na verdade o carro era do pai dela, mas ela usava com certa frequência.

Nisso, consequentemente, ao passar pelo Largo da Ordem fui abordado por 3 filhos da puta, e mesmo tendo tentado correr ao bar onde sabia que a banda do Dinarte tocava fui abordado por eles que me cercaram. Eu vi o guitarrista saindo e tentei pedir ajuda, mas parece que ele não tinha entendido muito bem. Depois o Dinarte desceu e perguntou o que tava ocorrendo. Eu tava cercado pelos 3 filhos da puta e fiquei nervoso não consegui falar. Tentei bater num deles, que perguntou por quanto tempo eu ia ficar tentando, revistaram meus bolsos e por fim levaram meu relógio e arrancaram o capuz da minha jaqueta (ele era preso por botões). Por isso, até hoje eu digo, muito obrigado, cara amiga por não ter me dado carona até em casa. Tu não me fez passar por nenhum apuro, e se eu estou vivo hoje é graças a você. Obrigado do fundo do coração.

Com a Alline Mel minha amizade continuava as mil maravilhas, ela frequentava bastante o msn essa época, e dizia que no começo do ano que viria ou no fim daquele ela viria até Curitiba. Então certa altura do ano quando ela deu certeza que viria visitar os amiguinhos de Curitiba eu começei a juntar dinheiro. Acho que tinha juntado uns 400 reais, mas, não resisti e gastei grande parte do dinheiro com garotas de programa (é que aquela época, como hoje, eu não tinha namorada) e quando ela chegou aqui eu estava com míseros 150 reais, mas não contei isso a ela.

Com a Andréa Reis as conversas eram constantes tb, sobre vários assuntos, como por exemplo o vencedor do Big Brother, que ela dizia odiar e a família em contra-partida assistia em peso. A mãe dela estava com câncer e frequentemente ela quem tinha que cuidar e fazer curativos na mãe, enfim a situação dela estava crítica. Já havia sido operada mas não lembro por qual razão o estado dela era terminal.

Com a Mili falava frequentemente tb, e ela me chamava, e eu fui sempre, na maioria das vezes e a medida que pude, nos shows do Minatory, até o grupo acabar. E isso eu tb acompanhei. Estive no último show do Minatory. Que terminou por causa de uma confusão no bar. A Mili foi a última a sair. O problema foi que o bar deu um calote, no festival de Overmetal, e não pagou nenhuma das bandas. A Mili como eu sabe que músico não vive de ar, e que é um profissional tão ou mais gabaritado e requisitado do que profisssionais de outras áreas.

Os colegas de banda dela não gostaram da atitude dela, achando que ela estava queimando a cara da banda perante o cenário curitibano. O que pra mim é um equívoco, quem devia se queimar era o bar por ser caloteiro. Infelizmente, não lembro o nome do bar, senão eu divulgaria aqui sem dó nem piedade. Eu acompanhei os shows do Minatory por quase durante 2 anos. Do fim de 2003 até Maio de 2005 se não me engano. Essa era a primeira metade do ano. Muita coisa ia mudar (pra melhor) pra mim, a partir daquela data.

Conheci, no dia em que a banda dela acabou um affair da Mili. Ele parecia que me chamaria pra um projeto de tocar com eles. E até chamou, só que no começo de 2006 e quando a Alline Mel tava aqui em Curitiba. E essa idéia acabou não me agradando no final das contas. Porque nesse meio tempo havia tido umas experiências frustradas tentando montar a banda de covers da Pitty depois que desisti do projeto com a Judy que não saía nunca.

Como eu dizia antes em posts anteriores eu continuava procurando emprego, (quando não gazeava a busca indo no Extra) e tava difícil, mas acabei conhecendo uma amiga desse affair da Mili que ficou de me colocar em contato com o chefe da empresa dela e me fazer indicação. Talvez eu tenha ligado tarde pro chefe dela mas não consegui pegar esse emprego. Ela me chamou então pra uma festa que ela tava organizando em que teríamos de trazer pelo menos um engradado de cerveja.

Eu trouxe. A festa foi legal, mas a real era que eu não conhecia quase ninguém lá fora a Mili e um cara da facu, veterano meu, que apareceu por lá. Eu tomei demais, tava num grau muito estranho embora eu só tivesse tomado cerveja.Talvez tivesse exagerado na dose. Devo ter tomado umas 7, 8 latas. Nem lembro, só lembro que foi bastante. Alguém tava fazendo pão de queijo no fogão e eu estava a ponto de roubar os pãos de queijo antes deles terminarem de ficar prontos na fornada.

Tinha uma menina que me interessou. E eu Não Tomo Iniciativa (N.T.I) com as mulheres de modo geral, mas sabe como é né? O Álcool da aquela coragem e aquele apoio moral que me falta sóbrio. Eu não lembro de ter visto nenhuma coleira (anel de compromisso ou noivado ou casamento)na mão dela, mas lembro que estava eu a ponto de estar folgado. Sentei no braço do sofá em que ela estava e pedi pra ver as fotos com ela.
Ela deixou. Não tinha muita coisa pra fazer lá, mas tentei recrutar umas meninas pra tocar na minha banda e consegui levar uma idéia com uma. E embora eu tivesse bêbado eu queria formar mesmo a banda e não estava com segundas intenções, então levei um papo sério com a menina e pedi que ela solfejasse pra mim algumas canções da Pitty pra ver o potencial de sua voz. Parecia bom, mas não mantivémos contato.

No fim da festa, resolvi dar tchau a todo mundo e até a quem eu nem conhecia.
E me veio uma idéia inusitada. Idéia de bêbado lógico, porque sóbrio eu nunca seria tão cara de pau. Me despedi da menina que eu tava interessado, e depois fiz um pedido:
"Tipo será que tu não ta afim de dar um selinho em mim?"
Daí ela pensou, na sequência disse:
"Bom meu namorado não vai gostar muito disso, mas enfim..."
E veio.
Me deu o selinho.
Mesmo estando bêbado eu fiquei surpreso.
Na sequência ela pediu pra eu adiciona-la no orkut.
Fui embora de lá e como era no centro, andei umas quadras a pé até me deparar com um puteiro que eu já tinha estreado em 2003. Foi lá mesmo que terminei a noite. Só que tava bêbado. Então as lembranças que tenho desse fim de noite não são muito legais.

Após isso,
voltei o resto do trecho a pé até em casa e não sei como não voltei cambaleando porque tava muito bêbado. Quando cheguei em casa só quis saber de deitar na minha cama, mas ficava tudo girando. Eu sentia que minha ressaca seria um porre, com o perdão do trocadilho. Mas nem lembro se fiquei de ressaca.

Eu continuava insistindo na idéia de montar uma banda cover da Pitty ou que pelo menos tocasse algumas músicas relevantes dela e por isso havia tirado até mesmo Equalize, que é uma música dela que eu nunca gostei muito. Tinha tirado Equalize originalmente pra tocar na banda da Judy, mas como não rolou, fiquei com o conhecimento todo pra mim. Ao longo desses anos fui esquecendo um pouco a forma correta de se tocar essa música, porém outro dia encontrei uma tablatura editada no Guitar Pro e relembrei como é. Tirei Máscara, Teto de Vidro e Admirável Chip Novo. A maioria delas com auxílio do programa Guitar Pro.

Não lembro como, adicionei o msn de um baixista, e nós estávamos certos de tocar com uma menina que eu havia encontrado no orkut, na comunidade "Formo banda cover da Pitty - Curitiba", que nem sei se ainda existe, mas na época era fundada por um fake e era com esse fake que eu conversava com as meninas afim de fazer uma audição. Marquei com algumas dela, com uma outra que eu acreditei que daria certo, acabou mudando pra SP e me deixou a ver navios, não sem antes desejar:
"Mas boa sorte com o seu projeto" ¬¬

De qq forma ia de mal a pior. Até que encontrei essa outra menina. Mas ela tinha até medo de andar sozinha no centro e disse que para tocar com a gente, nós teríamos de ir pedir autorização ao pai dela. Fiquei meio fudido com essa postura, mas não disse nada. E não me perguntem qual o nome dessa menina porque isso já faz um tempo e eu realmente não lembro.Conversei sobre ela com o baixista, cujo nome eu tb não lembro, e percebi que o santo deles realmente não haviam batido. Eles viam falar mal um do outro pra mim via msn.

A grande sacada desse cara foi me passar um e-mail de msn que ele viu no cifra-club a respeito de uma garota que dizia estar afim de fazer um som nos moldes da Pitty, e que além de tudo tocava guitarra. Eu gostei de ver esse perfil (embora tivesse sido indicado pelo baixista) porque dizia que tocava guitarra, e realmente, talvez eu precisasse de alguém com essa versatilidade para o meu projeto. Ia ser interessante uma vocalista-guitarrista.

Adicionei o msn, e vi ela on, a tal menina, só que, não lembro qual a razão, eu estava esperando o momento certo de ir conversar com ela. O baixista aquela hora da noite já tinha ido dormir.Daí de repente vejo uma janela abrindo pra falar comigo no msn, tava lá:
"oi"
daí eu percebi que era a menina e pensei, "que caralho, sou tão lerdo que a menina veio falar antes."
Daí, pra não ficar sem assunto eu resolvi ir explicando o porquê de ter adicionado ela:
"Bom eu vi seu anúncio no Cifra-Club e to montando uma banda cover de Pitty com um amigo, já temos um baixista, você tem interesse no projeto?"
Ela disse que tinha, e eu estava acreditando que finalmente o projeto daria certo.
Mas nunca formei essa banda, por outro lado teria uma recompensa maior que àquela época eu sequer imaginava. Conversei com a menina até umas quatro da manhã.
Ela me passou os endereços do blog dela no fim da conversa e eu passei os meus. Na época eu tinha o Resenha Gamers, o Vida de Guitarrista, e a até então recente biografia, cujo endereço é esse que vocês estão acessando.
Ah sim;
A tal garota era a Tami.

Continuo no próximo post.

Quarta-feira, Maio 28, 2008

 

[P#115] INTERNET YEARS (Parte 6)

|

Manipulação da Veja (e tb de boa parte da mídia), pra tentar derrubar o presidente Lula, em 2005

Ah, óbvio, encontrei essa capa e não pude deixar de esquecer de toda a manipulação de boa parte da mídia e dos meios de comunicação pra tentar derrubar o presidente Lula. Pra eles é difícil mesmo aceitar que um partido de esquerda tenha chegado ao poder, e pra derrubar um presidente vale tudo, até seguir pelo caminho menos democrático, dando um golpe branco.

Não aguentava mais chegar em casa e tudo que é canal só falava desse assunto com um monte de coisa mais importante pra se preocupar. E deram uma importância exagerada a esse caso, dizendo que era a pior crise dos últimos anos e blablalba, como se não tivéssemos passado por coisas bem piores como o caso Collor e os anões do orçamento da gestão de FHC. Mas tudo bem, seguindo o que quer a mídia o presidente Lula e o PT são os mais corruptos dos últimos tempos e tinham mesmo de ter sido linxados do poder através de golpe. Mas se fuderam legal no ano seguinte, quando a população mostrou que queria Lula de novo. Iam fazer o que contra a vontade do povo?

Fora que, nos MARAVILHOSOS [ironic mode on] anos de FHC o salário subia 10 reais ao ano. Ou seja, os pobres jamais teriam condições de mudar de vida num cenário daqueles. Tudo que ele e o seu partido PSDBosta fizeram foram falir o país e deixar o risco Brasil lá na casa do cacete.Com Lula o salário mínimo hoje é de R$408,90, sendo que quando pegou a administração federal em 2003 era de r$ 200,00, quer dizer, quando Fernando Henrique foi empossado o salário mínimo era 100 reais e quando deixou o poder era 200. Levou 8 anos pra aumentar 100 reais. Bela merda de presidente esse. Lula, nem terminou o seu mandato e já dobrou o poder de compra do brasileiro. Não sei do que querem reclamar. De corrupção? Corrupção houve em todos os tempos e não é de hoje. Então inventem outra história pra vir encher o saco.

Quanto a outras coisas que aconteciam na época fiquei feliz de baixar e reencontrar (acho que foi via Emule) o clássico El Arbi, do Khaled. Música essa que fazia sucesso em 2000, época que meu pai e eu administrávamos o pet-shop. Era época de aproveitar a promoção do Habib's com Esfiha a 0,39 centavos. Promoção que não voltou mais. Com 10 reais era possível comprar 25 esfihas. Hoje em dia, com o preço atual mal dá pra comprar 10 reais.

Continuava mantendo contato com o pessoal do Guitar Palace e do Guitarristas Femininas, muito embora com o advento do orkut, esses fóruns tenham perdido sua força e quase ninguém mais poste neles. No msn era sempre com a Mili, Alline Mel, Aya Mae com quem eu conversava. Alguns colegas de faculdade começaram a ingressar nesse fórum, mas, por alguma razão não respondiam meus scraps. Não sei se pelo fato de eu participar de muitas comunidades adultas, restritas a maiores de 18 e eles terem estranhado tal fato. Quero que se foda. São todos hipócritas.

Eu achava que tinha encontrado a minha turma, mas não tinha.
Talvez, tenha sido só em 2006 (péssimo ano) que eu realmente tenha encontrado.
Mas hoje em dia, não sei dizer bem qual a razão eu não tenho tido muito contato com a Mili, Andréa Reis e Alline Mel. Com a Aya ainda falo quando ela entra no msn, mas não com a frequência que falava antes.

Involuntariamente, acabei assistindo alguns filmes aquele ano como Tróia, Blade Trinity e os Espanta Tubarões, porque tinha dias que eu não tinha a menor idéia de onde deixar meus currículos e acabava indo no Extra gazear as idas ao centro ou onde quer que fosse que eu deixasse meus currículos. Daí morrendo de sono sentava nas cadeiras que eles deixavam como mostruário em frente aos televisores e assistia aos filmes porque eles ajudavam a matar o tempo. Porém nunca gazeei tanto a procura de emprego como em 2006 quando eu descobri a Biblioteca Pública e que lá o tempo passava mais rápido.

Continuo no próximo post.

Terça-feira, Maio 27, 2008

 

[P#114] INTERNET YEARS (Parte V)

|

Capa do DVD do concerto beneficente LIVE AID, de 1985

Eu não sei se era uma boa hora pra concluir os posts sobre 2004 uma vez que não tenho certeza se tudo relevante referente aquele ano já foi dito. Mas se não foi, foda-se, qualquer coisa eu altero a postagem daqui há alguns dias, ou, vocês nunca saberão. 2004 foi um bom ano, mas é importante falar de 2005 tb que foi um bom ano e consegui algumas realizações.

Tinha um plano de montar uma banda com a Judy, pra tocar entre outras coisas covers da Pitty. A idéia se formou legal, acho que me reuni com ela e com os possíveis integrantes da banda umas duas vezes, mas depois, acabou não rolando. Mas eu estava decidido montar a banda mesmo assim, e fui atrás de outras meninas que cantassem para que com elas conseguisse montar o projeto. Não rolou. Cheguei até a ir ensaiar na casa de uma menina, mas essa alegou estar de mudança pra São Paulo e abandonou o projeto. Uma outra, fiquei de conhecer pessoalmente mas acabei nunca indo ver a cara dela.

No meu aniversário eu estava ouriçado pra ganhar o box quádruplo do show histórico LIVE AID que visava arrecadar fundo para as crianças desnutridas da Etiópia, idéia essa idealizada originalmente por Bob Gedolf e que teve apoio de grande parte dos artistas britânicos e/ou norte-americanos em voga na época num show memorável que durou mais de 16 horas segundo fontes relacionadas ao evento, tendo esse ocorrido simultaneamente em dois estádios, em Wembley, em Londres e no JFK na Filadélfia.
Eu não estava interessado no box pela causa nobre que ele se apoiava mais sim por ter um registro histórico do Dire Straits tocando Money For Nothing e Sultans of Swing em versões raras de se ter, ainda mais num material oficial, ou que só era obtido na internet com imagem e áudio de baixa qualidade.

Em Agosto, ou um pouco antes, eu começei a cursar um semestre de Inglês na Wizard, e como tinha feito uma prova de nivelamento antes, me mandaram para o nível 2 do curso, e foi lá que conheci um professor cujo nome não lembro mas que a responsabilidade nunca fora o seu forte. Era ele um dos responsáveis por trazer uma bateria pra banda que eu havia montado especialmente pra tocar no Show de Talentos da Wizard (que fôra inclusive filmado mas eu não tenho o vídeo original).A princípio das escolas que eu tinha pesquisado me interessei em estudar na Wizard porque uma das secretárias era lindinha demais (gostosa tb). Muito embora eu nunca fosse dar em cima dela ou demonstrar interesse porque esse tipo de coisa não faz parte da minha personalidade.

Acho que foi a partir desse ano que meu pai pegou mais pesado comigo pra que eu procurasse emprego todos os dias, ficando pra mim apenas o Domingo e o Sábado pra acordar meio dia ou uma hora da tarde. Fiquei nesse ciclo até meados de 2007 quando consegui um emprego na Blockbuster. E muitas foram as brigas nesse período por eu não conseguir o emprego.

No entanto lembro que numa das vezes que fui quase caí num golpe de uma tal de escola de inglês denominada "Lexical" sendo ela uma divisão do curso de inglês "Wise Up". Segundo o nosso recrutador/contratante os ganhos eram altos e valia a pena investir numa carreira de futuro. Fiquei uma semana indo pra um suposto treinamento, e sendo selecionado entre outros que ele eliminava a algum critério à parte que ele tivesse, e nos enrolando por uma semana, fazendo-nos recomendar o curso a parentes e amigos. Uma semana indo de terno e gravata pro treinamento pra ter que desistir no Sábado, dia que ele esperava que tivéssemos vendido o curso para alguma pessoa sendo que nem estávamos contratados. Ou seja trabalharíamos de graça antes mesmo de saber se havíamos passado no teste admissional. Meu pai me avisou que era fria e disse pra mim que pulasse fora pois era uma cilada.

Ainda no mesmo ano cai em outra roubada, quase numa semana seguinte a essa do curso Lexical. Era pra chegar nas empresas e oferecer plano de uma operadora da telefonia celular. Da Claro se não me engano, a princípio todo o treinamento tb, deveria ser com roupa social e seria nesses trajes que atenderíamos nossos clientes, mas eu acabei chutando o pau-da-barraca enquanto ele nos mostrava alguns problemas de matemática que necessitariamos calcular para os nossos possíveis clientes. Como nunca fui bom em Matemática fui ficando zonzo com aquela situação e sai descendo as escadas do prédio louco pra me livrar daquilo. Deixei o meu crachá em algum latão nos corredores daquele prédio, o que eu não faria seria retornar pra lá nunca mais.

E houve várias furadas.
Fui em vários lugares na esperança de arrumar emprego e realmente não estava rolando.
Depois fui chamado pra uma empresa que realizava licitações lá na casa do caralho e como a mulher percebeu que eu não entendi muito bem qual era a função quando fui entrevistado, nem me chamou mais.

Teve também a banquinha da Revista Angeloni.
Nessa eu cheguei a passar na entrevista, mas como simultaneamente estava tentando montar uma banda e teria de trabalhar todos os dias tendo uma folga só na semana (e provavelmente teria tb um só Domingo no mês) acabei pulando fora, deixei um bilhete pra quem cuidava da banquinha no dia dizendo que tinha sido muito legal a idéia de me chamar mas realmente eu não seria a pessoa certa pra desempenhar aquela função.

Houve, ainda, no mesmo ano, a tentativa de ser office-boy em uma distribuidora de não lembro o que perto de onde moro. Fiz a entrevista, pensando que havia me saído bem, mas não devo ter me saído porque nunca me recrutaram pra ir trabalhar lá.

Deixando currículo todas as semanas surgiram outras chances, inclusive no prédio do Centro da cidade perto da Praça Carlos Gomes onde fica o Edíficio do Jornal Gazeta do Povo e onde eu ia deixar os meus currículos com certa frequência, pra ser vendedor de um plano de não lembro o que tb. Ganhei até uma caneta, mas não lembro o motivo da razão acabei desistindo da vaga. Mas era algo que com certeza não valia a pena e não me arrependo de ter dispensado.

A princípio, quando eu começei a procurar emprego, era meu avô todo Domingo quem recortava no jornal as vagas que ele achava que tinha meu perfil. Porém, por outro lado era muito difícil porque ele recortava algumas vagas em que havia nítido "2 anos de experiência" e eu não tinha experiência naquela área porque a primeira vez que havia trabalhado não tinha sido registrado. Daí era obrigado a descartar essas ofertas e ir nas outras vagas por ele recortada.

Então, não lembro a partir de que altura, eu disse que preferia eu mesmo escolher as vagas que mais se adaptassem ao meu perfil do que ter que ficar dispensando vagas que não tinham nada a ver e ficar perdendo meu tempo. Nos domingos então recortava do jornal aquelas vagas que tinham mais a ver com o meu perfil e durante a semana ia correr atrás de entrevistas e de entregas de currículo.

Com 2 anos e meio de experiência em procurar emprego e em ir na Agência (maldita) do Trabalhador de Curitiba, posso dizer com toda certeza:

Procurar emprego é muito chato!

Continuo no próximo post.

Terça-feira, Maio 20, 2008

 

[P#113] INTERNET YEARS (Parte 4)

|

Eu, Guaratuba, 2004

Ainda não sei o que restou, ou o que eu vou lembrar de falar sobre 2004 sem que fique faltando alguma parte, ou que eu me arrependa depois apenas de ter lembrado de determinada situação que talvez fosse relevante ser contada aqui.

Como já citei, havia ido em 2 shows da Pitty aquele ano sendo que um deles, inclusive, eu fui enquanto cursava o inglês instrumental para Hotelaria na turma que tinha a Monique Trinco , que depois numa conversa eu descobri que conhecia tb Andrey e Dinarte, amigos de velhos tempos.

Depois, ingressei logo em seguida em mais um curso da F.E.P, dessa vez o de digitação. Eu nunca digitei devagar, nem mesmo antes de fazer o curso mas eu digitava com um dedo só de cada mão. O curso a princípio parecia ser meio difícil porque é difícil desacostumar de olhar quando tu sempre digitou de um modo. E o meu modo de digitar era totalmente "catando milho style", mas sempre foi rápido, depois com o decorrer do curso, consegui vencer os exercícios antes que todos os demais companheiros e daí o instrutor/professor, separava uns textos pra eu digitar em umas folhas avulsas. Podia até escolher, poesias, textos, letras de música , etc,etc. Mas realmente eu pratiquei bastante em casa a minha velocidade de digitação com um programa muito bom cujo nome não lembro, mas tenho vontade de reinstalar qq hora só pra saber aquela relação 'teclas por minuto' a quantas anda.

Conheci nesse ano ainda a Andréa e a Lila, além da Gita, de quem já falei em post passados, que na época trabalhava com a banda Ravana atuando como competente guitarrista e compositora. A Andréa eu adicionei diretamente dos fóruns Guitar Palace e Guitarristas Femininas onde ela costumava enviar seus posts e dúvidas musicais.Adicionei ela no msn e ela adicionou toda a turma com quem eu mantinha contato àquela época. Pelo menos a Aya, Mili e Alline Mel. E aquela época os fóruns eram bem ativos apesar do surgimento e concorrência do fórum global denominado Orkut - que por sinal apesar de me trazer algumas glórias como encontrar amigos que eu não esperava rever e downloads raros , me meteu em muitas encrencas ao longo desses anos, uma delas tão grande a ponto de eu desistir do meu perfil e deletá-lo em meados de 2006.

A Andréa, baiana, moradora da Capital Salvador, morava pelo menos aquela época (já que agora eu perdi um pouco o contato com ela e com esse pessoal todo) com os pais e com o irmão. Tinha dúvidas musicais pertinentes tornou-se uma grande amiga, pessoa realmente de confiança e com quem trocava algumas dúvidas sobre inglês e propunha algumas parcerias para ajuda de um site/blog que eu queria montar pra falar sobre jogos expondo a minha opinião mas não de forma "dona da verdade" como faz o péssimo site Baú de Bogus, ops, confundi, Jogos; é que eles são tão covardes e têm medo de represália das merdas que dizem que se escondem através de fakes dentro do próprio site chegando a ponto de usar personagens de filmes como Pai Mei por ex, e, despejar sua merda em forma de texto com esses "perfis".

Eu criei um site pra manutenção e download do meu hack do Sonic (o TSH), mas depois descontinuei ele ao ouvir críticas de gringos sobre a paleta de cores que eles julgavam estar feia e também sobre o layout das fases. Na verdade foram muito arrogantes comigo, mas de qualquer forma eu tomei aquilo como aprendizado e começei a mexer na ROM americana do jogo, mas até hoje não consegui concluir esse projeto e nem lançar em algum site grande de comunidade hacker do Sonic como a Sonic Retro e afins.

A Lilla eu conheci por causa da Pitty List de um comentário que eu havia feito sobre ir no show de uma banda paulistana que na época se chamava Hellas e tinha a Fernanda, que depois posou pra revista Bela Tattoo, como baterista e uma amiga da Aya como guitarrista, a Carol.

Cheguei a ir no show da banda Hellas no 91 graus (nem lembro se é esse o nome do bar) que trouxe aquele dia algumas bandas que haviam viajado de SP pra lá apenas pra tocar naquela apresentação. Elas foram bastante perfomáticas e eu recebi provocações até da vocalista que era insinuante, mas não caí no jogo como os demais espectadores taradões.

Conheci a CArol pessoalmente, grande pessoa, fez sua parte direitinho como guitarrista e me deixou tocar na guitarra que a Aya tinha dado a ela com encordamento 0.12, e, me disse que a Aya havia mandado um beijo. Apesar de todo esse tempo nunca conheci a Aya e o marido (Tom) pessoalmente.

Mas tomei um susto quando eles sumiram da internet por mais ou menos uns 3 ou 4 meses, sendo que antes a Aya havia me dado poderes de moderador no grupo dela. E hoje em dia ambos os grupos (tanto Guitarristas Femininas como Guitar Palace), andam paradões, graças óbvio à concorrência orkutesca.

O ano terminou comigo indo à zona. Sim pra fechar com chave de ouro fui na Scorpions e peguei uma das mulheres mais gostosas da minha vida, com peitos perfeitos e toda saradinha, gozei gostoso. Devia ter dado um segundo round, mas como teve uma massagem depois, acabou não rolando. Mas foi muuuuuuuito bom.

Continuo no próximo post.

Domingo, Maio 11, 2008

 

[P#112]INTERNET YEARS (Parte III)

|

Eu e minha tia (que é mais nova que eu) Daniele, em Guaratuba, 2004

Tinha duas coisas pra contar a respeito desse ano, e que quase ia me esquecendo:
Primeiro, de aniversário eu havia ganho um novo monitor por meu computador porque o meu havia queimado. Era certo que às vezes eu espancava meu monitor antigo, e raras vezes hoje em dia isso continua acontecendo, mas não sei qual a razão daquilo. Puto, meu pai me deu um monitor de presente.

Eu postava bastante no meu antigo blog, já desativado mas ainda no ar: www.guitarposer.blogger.com.br.
E postei nele até meados daquele ano porque tinha limite da Globo de 10 MB, acho
que ainda existe esse limite e por isso abandonei o blogger.com.br e fiquei com o '.com" apenas depois que aprendi como colocar minhas imagens no ar em Setembro daquele ano. Embora a princípio eu tenha usado ele como mirror pra por minhas imagens já que o blogger.com demorou pra ter um sistema próprio de upload de fotos.

Em Abril daquele ano viajei de novo à praia só que dessa vez pra Guaratuba e sem a prima Jennifer ir junto.
No blog que eu citei acima tem um relato da época sobre como foi essa viagem:

Extraído de:
http://www.guitarposer.blogger.com.br/2004_04_01_archive.html

"GUARATUBA DAYS
Dae salve , leitores fiéis do meu blog
Passei uns dias fora , em Guaratuba , e como esses dias me
fizeram bem , voltei pra Curitiba com o espiríto renovado , voltei
pra cá com nova crença , a de que a vida pode ser boa
pois é , passar 4 dias em Guaratuba , me fez refletir sobre muita coisa.
Filosofei bastante em pensamento , pensando sobre a vida , o tempo
e como não sou nerd , aproveitei bastante o mar , aproveitamos dias lindos
de Sol , a praia estava maravilhosa , fora de temporada não tinha muita
gente na praia .
Ficamos numa casa muito boa , com geladeira , fogão , pia , talheres , copos
muito bem indicados , fomos nós , para ficar num lugar tão bom , com cerca de três
quartos , uma cozinha e dois banheiros , estou sem fotos da casa agora mas quem
sabe numa versão 2.0 desse post eu não acrescente algumas fotos ?

O motivo da viagem foi a morte do maeu avô Leopoldino , minha mãe
estava muito triste , e para se recuperar resolveu passar uns dias lá
e eu que não sou bobo , aproveitei ,comi camarão aos montes , já
que lá na churrascaria na seção do buffet tinha aos montes dando sopa
peguei umas cinco , seis colheres de camarão , desossei , fora que
nos outros dias ja tinha comido camarão , mas como é raro viajar
tem que aproveitar um monte e extravasar
A viajem só não foi 100% por que minha mãe ficava
o tempo todo falando mal de mim para os nossos parentes
e teve uma idéia inteligentissima de nos fazer acordar cedo e ir
até Caiobá a pé ... famosas idéias de intelijegue , mas enfim , depois de pegar
um sol de 40 graus na cabeça subindo e descendo num asfalto chamuscante
valeu a recompensa , a ex-esposa do meu falecido avô Leopoldino , nos levou para comer os camarões
no restaurante e mamãe teve que desembolsar , afinal também era para isso
que ela estava lá ...

Foram dias bacanas , e noites idem
Minha mãe ficou uma tarde desperdiçando em casa dormindo
e eu fui dar uma volta pela praia , acabei parando no centro próximo ao morro onde estava
tendo uma festa , e só carrão , festa dos veteranos , vi carros dos anos 20 aos 50
muito bom , o mar estava ótimo , nossos parentes também nos acolheram para
um café mais a noite , onde aproveitamos jogamos conversa fora ,
minha mãe pela milésima vez falou mal de mim , por que
eu não sabia como tirar fotos na camera nova dela e acabei fotografando
a parede do lugar onde a gente ficou hospedado , depois reclamou
que eu levei ela pra comer num lugar ruim , se bem que ela não
resistiu muito em aceitar a comer no lugar que indiquei, o que
prova que a culpa não foi 100% minha , mas realmente pessoal
se forem para Guaratuba nunca comam num lugar chamado "Costelão"
putz , o garçom vem te atender com uma cara de bebum e a comida
é uma merda , não recomendo, a praia eu recomendo , é legal
mas esse Costelão podem riscar da lista de vcs ...

Na praia pouca gente , mas perto do Cristo descobri uma pedra alta
próxima da área de perigo , essa pedra lhe faz ficar numa altura
consideravel para dar um salto na onda com os pés dentro da água
mas cuidado por que a pedra é escorregadia pacas e arrisca quebrar
a cara e estragar o passeio , subimos no Cristo , mas não tiramos foto dele
só abaixo dele , tiramos muitas fotos , principalmente com minha tia
As meninas de Guaratuba são mais abertas as novas experiencias que as moças
de Curitiba , olham com mais vontade e dão mais em cima , isso foi uma das
coisas que mais curti lá...

O díficil era dormir com minha mãe roncando na minha orelha
demorava pra pegar no sono lá
Era f... cama que eu não conhecia , na segunda noite , não
consegui aturar mais os roncos da minha mãe
e fui dormir na cama de casal no quarto ao lado
uma cama pra deitar e rolar , pena que deitei e rolei sozinho
com as almofadas , hahahahaha
Mas com 2 banheiros , ambos com chuveiro
Tendo talher , copos tudo a minha disposição
não podia reclamar de um lugar daqueles ainda mais pertinho de alguns
familiares queridos que nos indicarm esse lugar perfeito
com terraça , quatro cômodos e só r$ 10 a diária por que
fomos numa época fora da temporada onde o custo foi minimizado
minha mãe parecia estar de TPM no último dia que estivemos la
achava ruim até se respirasse mais alto , achava ruim por tudo
Não podia ir embora de Guaratuba sem deixar uma marca ...
Dei um presente para minha tia , um par de brincos , uma recordação
de quando estive ali , sei lá quando vou voltar ...
No Domingo a praia ficou mais cheia , provavelmente por que é o dia
que a negada não tem saco de ficar assistindo Faustão , nem Gugu
nem essas porras todas aí que fazem a cabeça da negada idiota ...
Po minha mãe nem deixou eu tirar foto do cachorrinho gente boa
que veio nos atender na porta e deitou no nosso chão no primeiro dia ,
cachorro bonzinho , sem fotos dele , a única recordação que tive dele
esta na minha cabeça ... próxima vez levo um osso pra ele(a)...
Ah Guaratuba Days ... isso dá música , pode ser brega , mas dá ..."



Enfim acho que isso diz muito sobre essa ida à Guaratuba, onde eu retornaria anos posteriores e a última vez que fui à praia [Caiobá] com minha mãe, foi em Abril passado (de 2007) se eu não me engano, enquanto tirava minha habilitação pra carros.Ficamos numa pousada da associação sei lá qual de onde minha mãe trabalha como funcionária pública, mas isso não vem a interessar agora. Quem sabe quando eu falar sobre o ano de 2007.

Se não me engano, foi aquele ano, ou após a vinda de Sharon alugando a casa onde ela morava que ela mudou-se para um bairro distante de onde eu moro e eu não vou lembrar do nome agora, e morou lá até meados de 2007, e, foi onde trabalha que conheceu e acabou casando com Jobs (não lembro a data que foi isso) um senhor que deve ser uns 25 anos mais velho que ela, beirando os 80. Ou seja, segundo marido dela depois que ela conheceu meu pai e fez a melhor coisa da vida dela que foi ter me tido.Sem nenhum duplo sentido,é claro.

Quando escrevo essas postagens falando de tempos passados fico tentando lembrar o que é realmente importante de ser contado sobre aquela época e às vezes me bato pois, apenas fora da internet lembro algo que devia ter contado e não contei.

Bom lembrei de algumas coisinhas, mas falarei a respeito delas no próximo post para encerrar o ano de 2004.

Continuo no próximo post.

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Assinar Postagens [Atom]